busca
facebook twitter rss

Copa a Copa

  • Ernst Happel, ex-jogador e ex-técnico da Áustria, teve seu nome homenageado no estádio de Viena. Quando jogava pela seleção austríaca, ele conseguiu um terceiro lugar na Copa de 1954. Em 1978, foi vice-campeão como técnico da equipe. Quando o italiano Giuseppe Meazza morreu, em 1979, seu nome foi dado ao estádio San Siro, em Milão. Ele foi bicampeão em 1934 e 1938. O húngaro Puskas foi homenageado em Budapeste. No Brasil, alguns craques de Copas inspiraram nomes de estádios: Rei Pelé (Maceió), Mané Garrincha (Brasília), Nílton Santos (Palmas) e Roberto Rivellino (Surubim).
     
  • O Uruguai é o único país do mundo que ganhou a medalha de ouro olímpica e, dois anos depois, o título da Copa do Mundo. Em 1928, os uruguaios conquistaram o ouro no futebol durante a Olimpíada da Holanda. Em 1930, eles venceram em casa a primeira edição do mundial.
     
  • Erik Nilsson, da Suécia, e Alfred Bickel, da Suíça, foram os dois únicos jogadores que disputaram Copas do Mundo antes e depois da Segunda Guerra Mundial. Ambos jogaram em 1938 e 1950.
     
  • O húngaro Laszlo Kiss é o jogador que mais fez gols em um jogo depois de entrar no meio de uma partida. Contra El Salvador, o atacante substituiu Torocsik, aos 11 minutos do segundo tempo. Marcou três gols, um aos 24 minutos, outro aos 26 e mais um aos 33.
     
  • Nenhum goleiro conseguiu marcar gols em Copa do Mundo. Em 1998, o paraguaio Chilavert, que já marcou mais de 50 gols ao longo de sua carreira, tentou de falta.
     
  • Antes da Copa do Mundo de 1994, realizada nos Estados Unidos, apenas 25% dos americanos conheciam o futebol.
     
  • Na Copa de 1930, foram marcados 70 gols em 18 partidas. Em 1998, 60 anos depois, a bola chegou na rede 171 vezes em 64 jogos. Para acompanhar o primeiro dos campeonatos, deveriam ter sido feitos pelo menos 248 gols na Copa de 98.
     
  • Em 1994, o avião da seleção brasileira desembarcou trazendo 12 toneladas de bagagens. Eram 97 passageiros (22 jogadores, 23 integrantes da comissão técnica, 15 familiares e amigos de jogadores, e 37 convidados da CBF). Como a alfândega não queria que as bagagens saíssem sem vistoria, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ligou para o ministro da Fazenda Rubens Ricupero e conseguiu a liberação das malas.
     
  • O jogo das oitavas da Copa de 2006, entre Portugal e Holanda, foi a partida com mais jogadores advertidos e expulsos da história das Copas. Ao todo, o juiz russo Valentin Ivanov mostrou 16 amarelos e quatro vermelhos. Do lado português, Costinha e Deco saíram; já os holandeses perderam Boulahrouz e Van Bronskhorst.
     
  • O árbitro inglês Graham Poll apitava a partida entre Croácia e Austrália, ainda na primeira fase da Copa de 2006 e, por um ato falho, mostrou três cartões amarelos para o mesmo jogador, o croata Simunik. Ele foi punido com o primeiro amarelo aos 17. Aos 45 do primeiro tempo, quando recebeu o segundo cartão, o árbitro esqueceu de expulsá-lo. Simunik continuou em campo até o término da partida. Aos 47 do segundo tempo, o jogador foi fazer reclamações ao juiz e recebeu o terceiro amarelo. Desta vez acabou expulso, finalmente!
     
  • A África do Sul se tornou o primeiro país com maioria negra a abrigar uma Copa do Mundo, ao ser escolhida para sediar a disputa de 2010.
     
  • Os sul-africanos também foram os primeiros não-europeus a se ligar à Fifa, mas a Federação de Futebol do país foi composta exclusivamente por brancos até 1991.
     
  • A África é o segundo continente com maior número de vagas em Copas do Mundo. São cinco, contra 14 da Europa, a número um. A estreia de um time africano no campeonato ocorreu em 1934. Nessa ocasião, o Egito terminou em 13º lugar (havia 16 participantes na disputa).

Livro conta a história de Charles Miller, "pai do futebol brasileiro".

livro indicado

Isso e muito mais você encontra aqui!

botao conheca

facebook twitter rss

2005-2012 © Guia dos Curiosos Comunicações

Todos os direitos reservados. - Nenhum texto pode ser reproduzido sem prévia autorização.