• O cineasta Steven Spielberg iria dirigir o filme “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. No entanto, houve rumores de desentendimentos. Dizem que ele queria o ator americano Haley Joel Osment para o papel do pequeno bruxo e que a escola de magia ficasse nos Estados Unidos. A autora do livro, no entanto, exigiu que o ator principal e o cenário fossem ingleses. A direção do filme acabou indo para as mãos de Chris Columbus.
     
  • As inscrições para quem quisessem trabalhar na produção podiam ser feitas pela internet e 40 mil crianças se candidataram para fazer os mais diversos personagens. Só para o papel do protagonista 16 mil garotos entre 10 e 12 anos se candidataram.
     
  • O escolhido para ser o protagonista foi Daniel Radcliffe, de 11 anos, que não era fã do bruxo. Columbus descobriu Daniel ao assistir a uma adaptação da BBC de David Copperfiel.
     
  • Há rumores de que os pequenos atores do filme estavam sendo mal remunerados para o trabalho e isso seria reflexo do excesso de candidatos.
     
  • Para que os atores-mirins não perdessem aulas e ficassem prejudicados nos estudos, foram montadas tendas-escolas nos estúdios.
     
  • Nos livros, Harry tem no meio da testa um sinal em forma de raio. É uma cicatriz do dia em que seus pais foram mortos. No filme, o sinal do bruxinho está mais discreto: na lateral da testa, coberto pela franja.
     
  • O jovem Karl Bishop foi condenado à prisão perpétua pelo assassinato do ator britânico Rob Knox em 2008. Rob Knox  interpretou o personagem Marcus Belby no sexto filme da série, “Harry Potter e o Enigma do Príncipe” (2009).
    • No filme, Rony, o melhor amigo de Harry, aparece pilotando um Ford Anglia na frente do Expresso de Hogwarts. Harry cai do carro e se segura na porta para não despencar sobre o trem – o que nunca aconteceu no livro, já que os meninos sempre seguem o Expresso sobre as nuvens para não serem vistos.

       
    • Em uma entrevista à revista Empire, o diretor Chris Columbus contou que as cenas do quadribol tem mais ação do que no primeiro filme. Segundo ele, a falta de tempo para cuidar dos efeitos especiais – cuja produção do primeiro filme custou cerca de 150 milhões de dólares – foi a grande dificuldade para desenvolver ainda mais o esporte predileto de Harry Potter. Nesta seqüência, as cenas das partidas foram as primeiras a ser filmadas pelos profissionais da Industrial Light & Magic (IL&M), responsáveis pelos efeitos especiais. 

       
    • Uma das grandes novidades é a presença de Dobby, um elfo construído inteiramente por computador. 

       
    • Os atores britânicos Kenneth Branagh (Muito Barulho por Nada) e Jason Isaacs (Doce Novembro) são alguns dos atores que aparecem no filme. Isaacs faz o papel do malvado Lucius Malfoy, o pai de Draco Malfoy, e Branagh é Gilderoy Lockhart, o professor de ?Defesa Contra a Magia Negra? de Hogwarts. Para o mesmo papel, Hugh Grant (O Grande Garoto) chegou a ser cogitado. 

       
    • De acordo como diretor Chris Columbus, os atores – especialmente as crianças – tiveram uma melhora significativa nas atuações. “As crianças melhoraram muito, porque os filmes estão levando o tempo equivalente ao de 3 produções normais”, disse ele ao site americano Cinescape. “É como se cada um deles já tivesse feito 6 filmes agora.”
      • O terceiro filme da série foi dirigido pelo mexicano Alfonso Cuáron. Ele substituiu o norte-americano Chris Columbus, que desistiu do posto porque estava com saudades da família e queria passar mais tempo em casa.

         
      • Em 25 de outubro de 2002, o ator Richard Harris, que interpretava o diretor da escola de magia Alvo Dumbledore, morreu, vítima da Doença de Hodgkin (uma espécie de câncer). Quem assumiu o papel foi o irlandês Michael Gambon.

         
      • A equipe de efeitos especiais demorou 6 meses para fazer os temíveis Dementadores.

         
      • A atriz Emma Thompson declarou que aceitou interpretar a Professora Sibila Trelawney para impressionar sua filha.

         
      • Para conseguir que a cara de susto de Daniel Radcliffe fosse mais natural em uma cena, Cuarón pediu ao jovem que pensasse em Cameron Diaz vestida apenas de tanga. A tática funcionou.

         
      • Uma cláusula do contrato do diretor o proibia de xingar na frente das crianças do elenco.