1. São 18 as espécies de pinguim no mundo. Treze delas tiveram suas populações reduzidas, e as outras cinco são consideradas em perigo de extinção.

2. O pinguim de magalhães, que costuma aparecer no litoral do Brasil, vive na Argentina e no Chile. Às vezes, ele nada à procura de comida e acaba sendo trazido pelas correntes frias.

3. Os pinguins ficam debaixo d’água boa parte do tempo. Por isso, impermeabilizam o corpo, usando uma secreção que sai da cloaca. Com o bico, eles esfregam a secreção na ponta do rabo e depois nas penas.

4. O hábito de colocar pinguins em cima da geladeira surgiu na década de 1950, quando a fábrica de refrigeradores Kevinator começou a mandar bonecos de pinguins como lembranças para as lojas. 

5. Eles são excelentes nadadores. Algumas espécies chegam a correr a 40 km/h, e a nadar a 30 km/h. Essas aves também são muito fiéis e só se “divorciam” em caso de má reprodução.

6. O pinguim não é nada romântico. Para dizer a uma fêmea que deseja acasalar, ele atira uma pedra em sua cabeça. Quando ela o aceita, os dois se abraçam e fazem uma canção de amor juntos.

7. Eles são encontrados no hemisfério sul. Apesar de serem associados à Antártida, eles também ocupam regiões da América do Sul, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia e ilhas do Pacífico. Em cativeiro, sobrevivem em qualquer regão.

8. A espécie de pinguim que habita a região mais ao norte do planeta é o pinguim de Galápagos. Ele vive próximo à linha do Equador, na Ilha de Galápagos, e é a única espécie desta ave que esporadicamente pisa no hemisfério norte em busca de comida.

9. Os olhos dos pinguins funcionam melhor debaixo d’água do que na superfície. Isso permite que eles consigam caçar peixes mesmo em águas escuras e turvas.

10. O pinguim imperador é a maior espécie desta ave, com 40 quilos. O pinguim fada, que pesa apenas 1 kg, é o menor entre o gênero.