Curiosidades sobre 10 diretores de cinema

1. Alfred Hitchcock
Durante as filmagens de "O Inquilino Sinistro", em 1926, um extra faltou e o próprio diretor Alfred Hitchcock entrou em seu lugar. Gostou tanto da experiência que passou a fazer isso em seus outros filmes. Foram 35 no total, incluindo os trailers, que eram apresentados por ele. A mãe do diretor exigia que ele se sentasse ao pé de sua cama para lhe contar as novidades do dia. O hábito acabou sendo reproduzido pelo personagem Anthony Perkins em "Psicose" (1960). Nesse filme, Hitchcock utilizou xarope de chocolate para simular o sangue que escorre na famosa cena do chuveiro. Hitchcock nunca ganhou um Oscar.

2. Clinton Eastwood
Antes de ser cineasta, Clint Eastwood foi soldado do exército norte-americano. Certa vez, o avião em que estava caiu no Oceano Pacífico e Clint nadou 5 km para chegar à costa. A proeza lhe rendeu o posto de professor de natação das Forças Armadas. Assim como seus personagens no cinema, Clint é um homem sisudo, fechado e quieto. No começo de carreira, recebia 75 dólares por semana para fazer papéis em filmes B dos estúdios Universal. Sua primeira experiência como diretor foi durante as gravações de "Dirty Harry" (1971). O diretor Don Siegel ficou doente e Clint o substituiu. Durante as gravações, quando está trabalhando como diretor, Clint evita conversar. Usa apenas as palavras "Ok", "Ação" e "Corta".

3. Glauber Rocha
É considerado um dos líderes e mentores intelectuais do "Cinema Novo", movimento que pregava a produção de filmes mais baratos e com temática voltada para a realidade nacional. Seu primeiro trabalho foi o curta-metragem "O Pátio" (1957). Ele tinha 18 anos quando o fez. Em 1976, o diretor filmou, sob protestos da família, o velório do pintor Di Cavalcanti. O material rendeu um curta, que foi proibido de ser exibido depois que a filha do artista entrou com uma ação na justiça. Morreu em 1981, vítima de uma pericardite viral. Seu corpo foi velado no Parque Lage, cenário de um de seus grandes sucessos, "Terra em Transe" (1967).

4. Hector Babenco
O diretor argentino visitou o Brasil pela primeira vez quando tinha 6 anos. Em uma entrevista, declarou que o que mais lhe marcou nessa visita foi ter encontrado com um índio no meio da rua. Ele carregava um arco e flecha, uma trouxa e um macaquinho. Quando tinha 17 anos, foi convocado para o exército. Como não queria se alistar, decidiu fugir para o Brasil. Pouco tempo depois, resolveu se mudar para a Europa. Foi de navio, levando apenas 25 dólares. Voltou dois anos depois. Começou no cinema fazendo figuração no filme O caradura, de Dino Risi, em 1964. Naturalizou-se brasileiro em 1977. O Beijo da Mulher Aranha, de 1985, grande sucesso de sua carreira, recebeu quatro indicações ao Oscar.

5. Martin Scorsese
O diretor foi coroinha quando criança. Aos 14 anos, entrou para um seminário, mas largou a vida monástica pouco tempo depois. Por causa do filme Kundun (1997), que conta a vida do 14º Dalai Lama, entrou para a lista de pessoas proibidas pelo governo da China a entrar no Tibete. Scorsese costuma mostrar sempre ao ator Robert De Niro, com quem já trabalhou diversas vezes, todos os roteiros que escreve ou considera dirigir. Foi convidado a dirigir A Lista de Schindler (1993), mas recusou o projeto porque achava que um diretor judeu trabalharia melhor a história. Steven Spielberg acabou assumindo o trabalho.

6. Orson Welles
Em outubro de 1938, o cineasta propôs à rádio CBS a transmissão da adaptação de A guerra dos mundos, livro de ficção científica do escritor H.G. Wells. Orson Welles convenceu a direção da rádio a não avisar ao ouvinte que se tratava de uma história fictícia. No meio da programação, o locutor disse interrompeu seu programa para anunciar aos ouvintes que um meteoro de grandes dimensões havia caído em Grovers Hill, no Estado de Nova Jersey, a algumas milhas de Nova York. Em seguida entrou no ar um repórter falando sobre o meteoro, que de repente foi morto pelos seres extraterrestres. A população entrou em pânico. Na cidade mais próxima ao local da suposta batalha, Newmark, 50 mil pessoas fugiram de suas casas em busca de abrigos naturais. Nem assim o diretor da estação interrompeu a brincadeira, que se deu até a morte do locutor. Só então ele disse: "Vocês acabaram de ouvir a primeira parte de uma irradiação de Orson Welles, que radiofonizou A guerra de dois mundos, do famoso escritor inglês H. G. Wells".

7. Quentin Tarantino
Seu primeiro emprego foi como lanterninha do Pussycat Theater, um cinema pornô em Los Angeles. Depois, ele foi balconista na Video Archives, uma locadora de filmes da cidade. Testes revelaram que ele tem QI em torno de 160. O valor normal para um adulto varia entre 90 e 110. Tarantino não chegou a completar o ensino médio — abandonou a escola aos 16.

8. Stanley Kubrick
Seu primeiro filme foi um documentário de 16 minutos chamado Day of the Fight (1951). A produção custou 3.900 dólares, e foi vendida ao estúdio RKO por apenas 4.000 dólares. Kubrick cancelou a exibição de Laranja Mecânica (1971) nos cinemas britânicos depois que atos de violência semelhantes aos do filme foram registrados pela polícia inglesa. O diretor era perfeccionista, e gostava de ter o controle sobre quase todo o processo de filmagem. Era comum que ele filmasse a mesma cena 100 vezes.

9. Steven Spielberg
Um dos diretores mais bem-sucedidos de Hollywood, Spielberg largou a Faculdade de Filmes e Artes Eletrônicas da California State University Long Beach em 1968. Conseguiu concluir o curso apenas 35 anos depois, em 2002. Na formatura, a orquestra tocou o tema de Indiana Jones enquanto ele se dirigia para receber o diploma. O filme Tubarão (1975) foi o primeiro sucesso a ser lançado durante o verão norte-americano. Antes, essa época era considerada baixa temporada para o cinema. Spielberg é padrinho de Drew Barrymore. A atriz-mirim estrelou um de seus filmes, E.T. — o Extraterrestre, em 1982, aos 5 anos. 

10. Woody Allen
O verdadeiro nome do diretor é Allen Stewart Konigsberg. Mia Farrow, seu ex-mulher, trabalhou em quase todos os filmes de Allen dos anos 80 e início dos 90. O casal se separou porque ele tinha um caso com Soon-Yi, filha adotiva de Mia com seu ex-marido, o músico André Previn. Começou, então, uma guerra entre os dois, que acabou nas telas, no filme Maridos e esposas (1992). Allen e Soon-Yi casaram-se em Veneza (Itália), no ano de 1997.