Por que o futsal ainda não é um esporte olímpico?

O futsal nasceu em 1930 e teve suas regras oficializadas em 1949. O esporte demorou para alcançar o mundo e, sob a tutela da FIFUSA (Federação Internacional de Futebol de Salão), teve seu primeiro mundial realizado apenas em 1982. A ascensão da modalidade fez com que  Fifa assumisse a assumisse a partir de 1989. Hoje, o futsal cumpre todos os requisitos básicos para entrar no programa olímpico: está filiado à uma confederação pertencente ao COI, é praticado em mais de 75 países e quatro continentes pelos homens e em mais de 40 países e três continentes pelas mulheres e, principalmente, tem apelo comercial em todo o mundo.  Neto, jogador da seleção brasileira de futsal de 2002 a 2016 e autor do gol do título Mundial de 2012, destaca a importância da entrada do esporte nos Jogos: “Seria o passaporte para mais investimentos, afinal teríamos maior visibilidade e, assim, o destaque aumentaria”.

No entanto, é justamente o fato de ser um esporte da FIFA que impede a entrada do futsal nos Jogos Olímpicos. A entidade suíça é a única a ter um evento capaz de rivalizar em importância com as Olimpíadas, a Copa do Mundo, e, por isso, não dá ao futebol olímpico uma grande importância. Assim, a disputa masculina ocorre apenas com atletas abaixo dos 23 anos e cada Seleção pode inscrever apenas três jogadores acima dessa idade.

Consequentemente, a condição imposta pelo Comitê Olímpico Internacional para que o futsal seja incluído no programa olímpico é a mudança na regra do futebol: se a FIFA acabar com o limite de idade do futebol de campo, o COI aceita a inclusão do futsal. Essa foi a justificativa apresentada pelo então presidente da Confederação Brasileira de Futebol de Salão e membro da comissão especial da FIFA dedicada ao futsal, Álvaro Melo Filho, em 2007.

O COI ainda coloca alguns outros empecilhos à entrada do futsal nas Olimpíadas: uma das interpretações é a de que o esporte é um gênero do futebol. Por isso, precisaria ter as mesmas regras, o que também exigiria um limite de 23 anos aos inscritos. Por fim, o fato da Copa do Mundo de Futsal também ser disputada em anos Olímpicos (a edição de 2016 será disputada na Colômbia entre 10 de setembro e 1º de outubro) é outro fator que desagrada o Comitê. A FIFA, por seu lado, não aceita mudar a data daquele que é o maior evento de seleções da entidade em anos olímpicos. Nesse ponto, Neto endossa o discurso do COI: “Se houvesse a inclusão do futsal, o Mundial teria que ser trocado de ano. Isso é fato: não se pode jogar 2 competições de tamanha representatividade no mesmo ano e em períodos tão curtos”, afrima.

Em 2012, a FIFA e a CBFS iniciaram um lobby junto ao COI para incluir a modalidade nos Jogos do Rio em 2016. Dono de sete dos 10 títulos mundiais disputados até hoje, o Brasil conseguiu incluir a modalidade no Pan do Rio, em 2007 (e foi o campeão, derrotando a Argentina na final). Na Rio-2016, porém, não foi assim. Até novembro de 2015 o então Ministro dos Esportes, George Hilton, ainda não descartava a hipótese, que acabou sequer sendo cogitada de maneira oficial pelo COI.

A comunidade salonista que pretende ver o futsal nos Jogos Olímpicos passou a ver uma luz no fim do túnel a partir da chegada de Thomas Bach à Presidência do COI. Uma das metas de Bach é melhorar as relações com ligas e federações, o que pode ajudar na empreitada. Em setembro de 2015 a FIFA anunciou a substituição do futebol de campo pelo futsal nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, que serão realizados em Buenos Aires, na Argentina.  Por enquanto, porém, não há previsão de que a entrada do futsal seja colocada em votação para os Jogos Olímpicos de Verão.