Onde Tiradentes foi enforcado?

Onde Joaquim José da Silva Xavier, o “Tiradentes”, foi enforcado: na cidade de Vila Rica, atual Ouro Preto-MG, ou no Rio de Janeiro, que era a capital do Brasil no período? Para aumentar a dúvida: duas traves da forca encontram-se no Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, e outras duas estão no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro. De acordo com Rui Mourão, diretor do Museu da Inconfidência há 39 anos,  essa confusão só existe porque foram feitos dois processos contra o “Mártir da Inconfidência” ao mesmo tempo,  um no Rio e o outro em Minas. Mais tarde, com a vinda de desembargadores portugueses ao Brasil, eles acabaram sendo unificados. Ao meio-dia de 21 de abril de 1792, Tiradentes subiu os 21 degraus da forca, localizada na Praça da Lampadosa (atual Tiradentes), no centro do Rio de Janeiro,  para ser executado pelo carrasco Jerônimo Capitânia, sujeito que trocara sua pena de morte por uma de prisão perpétua.

Depois de morto, Tiradentes teve seu corpo cortado em quatro pedaços, que foram espalhados ao longo do caminho entre Rio de Janeiro e Vila Rica. A cabeça dele foi pendurada em um poste no centro da cidade mineira e desapareceu na terceira noite. A casa em que ele morava foi destruída e as autoridades jogaram sal no terreno para que mais nada crescesse ali. Mas por que Tiradentes foi o único dos inconfidentes condenado à morte? Muito se falou que, dos envolvidos no movimento que lutava pela independência do Brasil, o alferes seria pouco influente política e economicamente. Uma espécie de “bode expiatório”.

No entanto, como tantos outros fatos registrados nos livros escolares, o professor Rui Mourão conta que a história não passa de lenda. Isso porque Tiradentes estava longe de ser uma figura nula na sociedade de Vila Rica, principalmente na área econômica. Possuía uma fortuna até 8 vezes maior que a de Tomás Antônio Gonzaga, poeta árcade e jurista, considerado um dos mais proeminentes inconfidentes no quesito influência. Mas como Tiradentes teria construído tamanha riqueza? Mourão afirma que o alferes ficou rico por causa de seu trabalho de fiscalização da estrada que ligava o Rio de Janeiro à Vila Rica. Ele foi convidado pelo governador de Minas Gerais à época, D. Luís da Cunha Meneses, para realizar um estudo sobre a região da Serra da Mantiqueira. Durante as pesquisas, descobriu 82 lavras de ouro, e recebeu o direito de explorar 41 delas.

Ainda, segundo Mourão, a razão para que Tiradentes fosse o único enforcado deveu-se aos depoimentos dados pelos outros inconfidentes às autoridades portuguesas. “A partir de certo ponto do movimento, alguns inconfidentes começaram a se sentir incomodados com o fato de Tiradentes demonstrar proximidade com o povo, temendo que isso ocasionasse a participação popular na revolta. Por isso, todos citavam o nome dele nos depoimentos como líder da revolução”, explica. Além disso, Mourão afirma que o julgamento das sentenças dos revoltosos foi realizado de maneira suspeita. “Os desembargadores vindos de Portugal fizeram duas reuniões no Rio de Janeiro: na primeira, decidiram que 11 sujeitos seriam condenados à forca”, conta. “No dia seguinte, realizaram outra e, misteriosamente,  anunciaram que apenas Tiradentes seria morto e os outros seriam enviados em degredo para a África”. Esta foi a maneira que D. Maria, rainha de Portugal à época, encontrou para demonstrar, ao mesmo tempo, generosidade e um exemplo de que crimes de lesa-majestade não seriam tolerados.