10 curiosidades sobre os estádios das Copas

1. Ernst Happel, ex-jogador e ex-técnico da Áustria, teve seu nome homenageado no estádio de Viena. Quando jogava pela seleção austríaca, ele conseguiu um terceiro lugar na Copa de 1954. Em 1978, foi vice-campeão como técnico da equipe. Quando o italiano Giuseppe Meazza morreu, em 1979, seu nome foi dado ao estádio San Siro, em Milão. Ele foi bicampeão em 1934 e 1938. O húngaro Puskas foi homenageado em Budapeste. No Brasil, alguns craques de Copas inspiraram nomes de estádios: Rei Pelé (Maceió), Mané Garrincha (Brasília), Nílton Santos (Palmas) e Roberto Rivellino (Surubim).

2. Na primeira Copa, em 1930, o estádio do Centenário ainda não estava totalmente terminado no dia da abertura, 13 de julho. Por isso, os primeiros jogos foram realizados nos outros dois estádios, Pocitos e Parque Central.

3. Na Copa de 1934, na Itália, o novo estádio de Turim ganhou o nome de Mussolini, por causa do domínio fascista presente no país naquela época. Pela mesma razão, o estádio de Roma teve de mudar de nome, e foi rebatizado de Nazionale PNF – sigla do Partido Nacional Fascista.

4. Para a Copa de 1950, o Brasil planejava construir o maior estádio do mundo que já se tinha visto. Era o Maracanã, que comportava 155 mil pessoas. No entanto, os jogos aconteceram sem que as obras estivessem finalizadas. A fatídica derrota da Seleção Brasileira para o Uruguai, na Copa de 1950, foi o jogo com o maior público da história das Copas: 173.850 torcedores superlotaram o Maracanã, no Rio de Janeiro.

5. Para a Copa de 1954, os suíços não tiveram que erguer um estádio sequer. Apenas um, o La Pontaise, precisou passar por uma reforma.

6. Um dos estádios da Copa de 1966 era o White City. Foi construído para as Olimpíadas de 1908, e usado também nos Jogos Olímpicos de 1948. Em 1985, ele foi demolido, e no local foram construídos os novos prédios da BBC.

7. O estádio Félix Bollaërt, da cidade de Lens, foi utilizado na Copa de 1998, na França. Tinha capacidade para 41 mil torcedores. O curioso é que Lens, a menor cidade a receber um jogo de Copa, tem apenas 35 mil habitantes.

8. Projetado pelo arquiteto Juan Scasso, o estádio Centenário de Montevidéu, no Uruguai, foi palco da primeira final de Copa do Mundo, em 1930. Com capacidade para 80 mil pessoas, ele foi feito às pressas e só ficou pronto cinco dias depois da estreia da Copa, no dia 18 de julho — coincidentemente, aniversário da independência uruguaia. O primeiro gol no estádio foi feito por Héctor "Manco" Castro, na vitória do Uruguai contra o Peru, por 1 X 0.

9. O primeiro projeto de estádio apresentado para a Copa 2022, no Catar, chamou a atenção não pelo design arrojado ou pela tecnologia de ponta, mas pelo seu formato acidental de... vagina! Isso mesmo: a vista aérea do futuro estádio (se for mantido o projeto original) será semelhante ao órgão reprodutor feminino. O estádio da cidade de Al Wakrah terá capacidade para 40 mil torcedores e deve ficar pronto em 2018.

10. Para driblar o calor que é feito no Catar nos meses de junho e julho, quando as temperaturas oscilam de 29 a 41oC, o governo local cogita instalar um sistema de nuvens artificiais nos estádios, desenvolvido por cientistas e engenheiros locais. A tecnologia custa cerca de 500 mil dólares e as nuvens podem ser direcionadas com um controle remoto.