Curiosidades sobre 10 doces clássicos

1. Cheesecake
O doce típico de Nova York e da Filadélfia na verdade surgiu na Grécia, muito antes de essas cidades norte-americanas serem fundadas. Há evidência histórica de que foi servida torta de queijo cru aos atletas da primeira Olimpíada, em 776 a.C. Quando os romanos conquistaram a Grécia, eles adaptaram a receita do cheesecake, adicionando ovos e levando o doce ao forno. Até o século 18, era também usado fermento. É que na época não se conhecia o poder de crescimento de massas com ovos batidos. O cream cheese só foi adicionado ao doce no final do século 19. O queijo foi inventado por acaso, por William Lawrence, em Nova York, em 1872. Ele estava procurando um jeito de reproduzir o queijo francês neufchatel. Em 1880, o produto já estava disponível nas prateleiras sob a marca Philadelphia.

2. Algodão doce
Ironicamente, o inventor do algodão doce foi um dentista. Americano de Nova Orleans, Josef Delarose Lascaux começou a produzir o doce no começo do século XX. Até hoje, a técnica para fazer algodão-doce é a mesma: o açúcar é aquecido até se tornar líquido (caramelo). A máquina então gira, fazendo a calda passar por furos bem pequenos. Ao entrar em contato com o ar, o caramelo endurece imediatamente, formando os fios do algodão-doce. A adição de corantes ao açúcar no começo do processo proporciona a variedade de cores.

3. Arroz doce
Tradicional de Portugal, a sobremesa é preparada com arroz, leite e açúcar, perfumada com casca de limão e canela. Entre as famílias ricas de Portugal, era presença obrigatória em dias de festa. Daí a expressão "arroz-de-festa" para aquela pessoa que não falta em nenhum evento.

4. Brigadeiro
O brigadeiro foi criado no Brasil meio por acaso. Logo depois da Segunda Guerra Mundial, era quase impossível arranjar ingredientes para fazer sobremesas. Alguém resolveu misturar leite condensado e chocolate, e acabou criando o doce. Inicialmente, ele ficou conhecido como bombardeiro, porque as crianças costumavam fazer guerrinhas com as bolinhas de chocolate. As mães, buscando soluções para evitar que as ditas-cujas grudassem na roupa dos pequenos, resolveram cobri-las com granulado. Foi assim que a delícia assumiu sua forma atual. Depois, ela foi rebatizada por causa do brigadeiro Eduardo Gomes, político e candidato à Presidência em 1945 e 1949 — derrotado pelo general Eurico Gaspar Dutra e por Getúlio Vargas, respectivamente. Por causa de um tiro que levou durante a Revolta dos 18 do Forte, rolavam boatos de que ele não tinha o saco escrotal, órgão cuja forma é semelhante ao do doce de chocolate.

5. Chiclete
Quando os conquistadores espanhóis invadiram o Império Asteca, em 1518, encontraram prostitutas que mascavam um tipo de goma, descoberta centenas de anos antes pelos maias, no sul do México. Eles perceberam que o chicle - um líquido grosso e leitoso que saía de cortes feitos na árvore sapodilha e depois endurecia em forma de goma - era extremamente saboroso. O primeiro chiclete foi patenteado no dia 28 de dezembro de 1869 pelo dentista americano William Semple. Usando a borracha como matéria-prima, ele produziu gomas para que seus pacientes exercitassem a mandíbula e estimulassem as gengivas. O produto existe até hoje sob o nome de Chiclets Adams.

6. Chocolate
Os astecas já conheciam as favas de cacau séculos antes da chegada dos espanhóis na América. Faziam com elas o tchocolatl (água amarga), bebida escura, amarga, apimentada e fria. O produto ganhou o mundo no século 16, levado para a Europa pelo conquistador espanhol Hernán Cortez. Lá, o açúcar, a canela e a baunilha substituíram a pimenta. A delícia se tornou tão valiosa que sua produção na Espanha foi mantida em segredo por mais de um século. No século 17, surgiu em Londres a primeira loja especializada em chocolates. Em Paris, no século seguinte, foi instalada a primeira fábrica do produto. Até 1861, o doce foi consumido apenas na forma líquida. Em 1876, o suíço Daniel Peter resolveu acrescentar leite e inventar o chocolate ao leite em barra, gênero mais consumido no Brasil hoje.

7. Gelatina
Foi inventada em 1893, pelo americano Charles B. Knox, para ajudar sua mulher na hora de fazer geleia de mocotó. O produto foi batizado de Jell-O.

8. Romeu e julieta
Não se sabe quem foi a primeira pessoa a combinar queijo e goiabada, mas é certo que o "romeu-e-julieta" nem sempre foi uma sobremesa. Os primeiros registros do doce são do início do século XIX. A combinação servia de recheio para os sanduíches levados pelos jovens do interior de São Paulo em suas viagens para a capital.

9. Tiramisu
A famosa sobremesa italiana foi criada no restaurante Alle Beccherie, fundado nos anos 30 na cidade de Treviso. Alba Campeol, dona do estabelecimento, chegou à versão definitiva do tiramisu em 1972. O pavê de biscoitos savoiardi com creme de queijo mascarpone e gemas batidas correu o mundo, consagrando-se como a sobremesa italiana mais famosa. O restaurante fechou as portas em março de 2014, em decorrência de uma crise financeira.

10. Torta de maçã
As tortas de maçã surgiram na Europa medieval, no século 14. As receitas mais antigas encontradas datam de 1390, e utilizam mel no lugar no açúcar. Nos anos de 1700, a já popular sobremesa do Reino Unido foi trazida para as Américas. Começaram a figurar nos livros de receita norte-americanos ainda no século 18, mas só no século 19 caíram no gosto popular. Hoje, é o doce mais consumido nos piqueniques de comemoração à Independência dos Estados Unidos, em 4 de julho.