Inspirações literárias

  •  Alexander Selkirk

O marinheiro escocês Alexander Selkirk (1676-1721) reclamou das condições do navio Cinque Ports em que viajava e pediu que o deixassem numa ilhota chamada “Más-a-Tierra”. Ela ficava no Pacífico Sul, a 670 quilômetros da costa  do Chile – hoje é bastante procurada por turistas.

Isso aconteceu em setembro de 1704. Ele desceu da embarcação apenas com uma espingarda, um facão e uma Bíblia. Viveu ali sozinho por quatro anos  e quatro meses até ser resgatado pelo galeão inglês St. George, em 1º de fevereiro de 1709. Essa foi a fonte de inspiração para Daniel Defoe escrever “A vida e estranha e surpreendentes aventuras de Robinson Crusoe de York, marinheiro”. 

  • Dr. Joseph Bell (Sherlock Holmes)

Depois de observar qualquer estranho, o dr. Bell, um cirurgião de Edimburgo, era capaz de deduzir muito de sua vida e de seus hábitos. Isso impressionou um de seus alunos, Conan Doyle, que admitiu ter "usado e ampliado seus métodos quando construiu o detetive Sherlock Holmes".

  • William Brodie (dr. Henry Jekyll e mr. Edward Hyde)

O livro "O médico e o monstro"  foi inspirado em William Brodie, um respeitado homem de negócios. Durante o dia, fazia parte do conselho da cidade de Edimburgo, mas, descobriu-se, à noite era chefe de uma quadrilha de ladrões. O escritor Robert Louis Stevenson ficou fascinado com a história desse homem de dupla personalidade e criou as figuras do dr. Jekyll e de mr. Hyde, em 1886.

  • Vlad Tepes (Conde Drácula)

Vlad Tepes (1431-1477) nasceu na Transilvânia e governou outra região da Romênia, a Valáquia, entre 1448 e 1476. Virou herói nacional na luta contra os turcos. Seu pai, também chamado Vlad, fora nomeado cavaleiro da Ordem do Dragão. Dragão em romeno é Dracul, a mesma palavra para "demônio". O sufixo "a" significa "filho" em romeno. Tepes, filho de Dracul, virou Dracula. Tepes era conhecido também como "o empalador". Na empalação, o condenado era espetado, pelo ânus ou pelo umbigo, em uma estaca fincada no chão. A vítima tinha o corpo atravessado até morrer. 

Vlad Tepes bebia sangue? Os romenos repelem essa pergunta. É uma ofensa a um herói nacional. Mas as lendas existem mesmo. São várias versões. Uma diz que Vlad Tepes gostava de molhar o pão no sangue de suas vítimas. Outra afirma que, nos três últimos anos de vida, ele bebia o sangue das garotas virgens crendo que isso aumentaria sua força. Aparentemente, os malfeitos do romeno foram muito exagerados por seus inúmeros adversários.  Morto em combate pelos turcos, em 1477, Vlad Tepes teve a cabeça cortada. O corpo foi enterrado num monastério, construído em 1519. Fica no meio de um lado de Snagov, de difícil acesso. O túmulo de Vlad Tepes está localizado em frente ao altar. Há quem diga que os ossos teriam sido roubados dali.