10 curiosidades sobre a Academia Brasileira de Letras

1. A Academia Brasileira de Letras (ABL) foi fundada em 1897 pelos escritores Machado de Assis e Lúcio de Mendonça, inspirada na Academia Francesa de Letras. Seu objetivo é cultuar a língua portuguesa e a cultura brasileira.

2. Todas as quintas-feiras os membro da ABL se reúnem para um chá na sede da instituição, no Rio de Janeiro. Na ocasião, eles discutem literatura, língua portuguesa e outros temas da vida brasileira. O ritual existe desde a criação da academia.

3. Olavo Bilac dizia que os escritores eram chamados de imortais "porque não tinham onde cair mortos". Hoje em dia, todos têm direito a serem enterrados no mausoléu da ABL, no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

4. O alfaiate Francesco Rosalba é o responsável pela confecção do uniforme de gala - ou fardão, como é conhecido - usado pelos imortais em ocasiões formais. De 1979 a 2005, apenas o pernambucano Ariano Suassuna havia se recusado a usar as roupas costuradas por Rosalba.

5. O modelo do fardão é inspirado na roupa dos carabineros de Calábria, Itália. Compõem-se de uma casaca verde musgo bordada com fios de ouro, camiseta, suspensório e um chapéu estilo Napoleão.

6. Alguns imortais foram enterrados usando seus fardões. É o caso de Assis Chateaubriand. O problema é que, como ele não usava a roupa havia muitos anos, quando foram vestir o cadáver, tiveram que cortar a parte de trás para caber.

7. Na biblioteca da academia, há coleções que pertenceram a Machado de Assis, Olavo Bilac e Manuel Bandeira. Entre as obras raras, figura uma edição de 1572 de "Os Lusíadas", de Camões.

8. Em 2005, o apresentador e humorista Jô Soares publicou o romance "Assassinatos na Academia Brasileira de Letras". O lançamento da obra foi realizado no mesmo local onde ocorrem os crimes da trama: o Petit Trianon, sede da Academia Brasileira de Letras. A história conta o caso de um serial killer cujo alvo preferencial são os membros da ABL.

9. Passaram-se 80 anos até que uma mulher fosse eleita para ocupar uma cadeira na Academia. A primeira foi Rachel de Queiroz, em 1977.

10. Os "imortais" têm, em média, 77 anos de idade. Eles foram eleitos com, em média, 63 anos.

Livro dá lições de gramática para quem gosta de literatura.