Curiosidades sobre 5 feras da natação

1. Maria Lenk
Maria Emma Hulda Lenk Zigler nasceu em 15 de janeiro de 1915 na cidade de São Paulo. Começou a nadar aos 10 anos, em 1925, nas então límpidas águas do Rio Tietê, em São Paulo. Ela foi a primeira atleta sul-americana a disputar os Jogos Olímpicos, em 1932, na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos. Era a única mulher entre os 66 atletas brasileiros. Tinha apenas 17 anos. Usou um maiô de lã emprestado e competiu nas provas de 100m livre, 100m costas e 200m peito. Em 1936, quebrou mais um tabu: foi a primeira mulher a adotar o estilo borboleta, nas Olimpíadas de Berlim, na Alemanha. Maria Lenk também se consagrou por ter sido a primeira sul-americana a quebrar recordes mundiais - 200m e 400m peito, ambos em 1939. As façanhas contribuíram para reforçar seu prestígio internacional.

2. César Cielo
César Augusto Cielo Filho nasceu em Santa Bárbara d’Oeste, em São Paulo, no dia 10 de janeiro de 1987. Começou a nadar no Esporte Clube Barbarense aos 8 anos, em 1994. Aos 16, recebeu um convite para treinar em São Paulo, no Clube Pinheiros. Dois anos depois, foi convidado para se juntar à equipe de natação da Universidade de Auburn, no Alabama, Estados Unidos, que tem a melhor estrutura para esportes aquáticos do país. Nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, levou o ouro nos 50 metros livre e o bronze nos 100 metros, também nado livre. Um ano mais tarde, no Mundial de Natação de Roma, Cielo quebrou o recorde mundial da categoria 100 metros livre. Foi a primeira medalha de ouro do Brasil desde 1982, quando Ricardo Prado ganhou os 400 metros medley. Com o resultado, Cielo se tornou o único brasileiro medalhista de ouro em Olimpíadas e Mundiais ao mesmo tempo.

3. Gustavo Borges
A envergadura (distância entre as extremidades dos braços abertos) do nadador brasileiro Gustavo Borges é de 2,44 metros (um cisne tem asas de 2,5 metros de envergadura). Uma envergadura maior resulta em braçadas mais potentes e faz a diferença nas provas de velocidade. Gustavo Borges é o segundo brasileiro mais premiado em jogos olímpicos. Ele tem 4 medalhas. Foi o primeiro esportista brasileiro a ganhar medalha em três Olimpíadas seguidas. Fez parte da equipe de revezamento 4 x 100 m livre que conquistou a medalha de bronze nas Olimpíadas de Sydney, em 2000. Essa foi a primeira vez que um time brasileiro de natação participou dos Jogos Olímpicos. O nadador é recordista de pódios em Pan-Americanos, com 19 medalhas (8 de ouro).

4. Michael Phelps
Michael Fred Phelps II nasceu no dia 30 de junho de 1985, em Baltimore, Maryland, nos Estados Unidos. O nadador quebrou seu primeiro recorde aos 15 anos, em uma prova de nado borboleta realizada no Texas. Ele foi o nadador mais jovem a conseguir superar um recorde. Até os 21 anos, Michael já havia batido 19 recordes. O nadador tem uma peculiaridade que o ajuda muito na água, mas que já o prejudicou fora dela. Ele tem os braços muito mais longos do que as pernas. Seus braços abertos têm um comprimento maior do que sua altura. Os longos braços, no entanto, são perfeitos para conseguir uma ótima impulsão dentro da água. Nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, Phelps bateu o recorde de medalhas de ouro em uma mesma edição dos jogos: foram 8. Além destas, Phelps ganhou outras 8 medalhas olímpicas em Atenas, quatro anos antes: 6 de ouro e 2 de bronze. Isso o torna o maior medalhista olímpico da história.

5. Ricardo Prado
Ricardo Prado virou herói da noite para o dia. Em 2 de agosto de 1982, ele bateu o recorde mundial dos 400 metros medley no Campeonato Mundial de Natação, em Guaiaquil, no Equador. Um ano depois, voltou a se consagrar e trouxe no pescoço quatro medalhas - duas de ouro e duas de prata - dos Jogos Pan-Americanos de Caracas, Venezuela. Pradinho, que começou a nadar aos cinco anos, conquistou a medalha de prata na Olimpíada de Los Angeles, em 1984. No auge de sua carreira, Ricardo Prado nadava 20 mil metros todos os dias.