Ilha Rá-Tim-Bum

Depois de nove meses de gestação, a TV Cultura lançou em 2002 o seriado Ilha Rá-Tim-Bum. A superprodução paulistana consumiu 10 milhões de reais e teve números bastante curiosos. Os textos são de Flávio de Souza. Direção de Maísa Zakzuk e Fernando Gomes. Direção musical de Mário Manga. Cinco jovens - Gigante, Rouxinol, Majestade, Raio e Micróbio - são atraídos para uma ilha cheia de mistérios e viverão lá uma série de aventuras.

  • Foram gravadas 3.863 cenas, sendo 3.358 em estúdio e 505 externas. Para isso, foram usadas 1.100 fitas de 30 minutos.
     
  • A série conta com 52 episódios de meia hora. Cada um deles consome 252 horas de trabalho, entre produção, gravação e edição.
     
  • O vilão Nefasto é interpretado pelo ator Ernani Moraes. Cada vez que se maquiava Ernani gastava 3 horas na cadeira do maquiador. No total, ele ficou 114 horas sentado e usou 38 máscaras.
     
  • O ator Luciano Gatti (Zabumba) gravou suas últimas cenas com 3 pontos na cabeça por causa de uma queda, depois de uma comemoração mais acalorada no jogo Brasil x Inglaterra.
     
  • Para fazer a caverna da família Coiso, Coisa e Coisinho, foram gastos 320 metros de tela de arame, 350 metros de tecido de algodão cru, 500 quilos de cola branca e 50 blocos de isopor.
     
  • As vozes dos narradores Rá, Tim e Bum foram feitas por Fernanda Takai (Pato Fu), Pedro Camargo Mariano e Mukassa.
     
  • Para tirar cópias de roteiros, a produção gastou 92 horas de xerox.
     
  • A atriz Greta Eleftreriou (Rouxinol) devorava trufas de morango durante as gravações.
     
  • A continuísta Izabel do Amaral bateu 900 fotos polaroides e mais 800 fotos digitais para garantir a correta seqüência das cenas.
     
  • A diretora Maísa Zakzuk mudou o visual de seus cabelos oito vezes durante a série.