Cabanagem

1. A revolta popular na província do Grão-Pará eclodiu em 6 de janeiro de 1835. Nos meses anteriores já havia uma mobilização para expulsar da região os simpatizantes do domínio português no local.

2. Os revoltosos moravam em pequenas cabanas à beira dos rios no Pará. Daí vem o nome "cabanagem", como são chamadas as pequenas casas situadas à beira do rio.

3. Os articuladores do movimento chegaram ao poder três vezes. Na primeira, em janeiro de 1835, os cabanos derrubaram o governo de Belém, instalando um governo revolucionário. Foram combatidos por mercenários contratados por políticos legalistas. Num novo ataque, em agosto do mesmo ano, os revoltosos roubaram comerciantes e distribuíram alimentos aos pobres.

4. Em abril de 1836, a armada do mercenário inglês John Taylor, contratado pelo governo para acabar com a insurreição, atacou e ocupou Belém. Os cabanos fugiram para o interior e ainda resistiram durante quatro anos. O saldo foi de 30 mil mortos, quase 1/3 da população masculina da província.

5. Os rebeldes e indígenas receberam o apoio dos franceses, interessados em derrubar o domínio português na região.

6. Do lado do governo brasileiro, foram quase 4 mil mortos, sendo a maioria voluntários.

7. Apesar do saldo negativo ter sido maior para os rebeldes, a rebelião foi uma das marcas da fragilidade do Período Regencial e uma mostra do iminente fim do domínio português no Brasil.

8. O arquiteto Oscar Niemeyer projetou um monumento na entrada de Belém, capital do Pará, chamado Memorial da Cabanagfem.

9. A ocupação espontânea na região do monumento levou à criação do Bairro da Cabanagem.

10. Em 2003, a Secretaria de Cultura e a Imprensa Oficial do Pará lançaram o livro "Cabanagem", um compilado completo de documentos da marinha inglesa relatando vários dos episódios do conflito.