10 curiosidades sobre a Guerra de Canudos

1. O cearense Antônio Vicente Mendes Maciel (1830-1897), professor primário, comerciante e advogado, sofreu uma grande decepção que mudou sua vida. Sua mulher, Brasilina, fugiu de casa com outro homem. A partir daí, ele iniciou uma perambulação pelo sertão, reformando igrejas e cemitérios, e anunciando a salvação de pobres e humildes. Ganhou primeiro o apelido de Antônio dos Mares e, depois, de Antônio Conselheiro. Pelo caminho, arregimentou uma série de seguidores fanáticos e montou um arraial chamado Belo Monte, em Canudos, numa fazenda abandonada do sertão da Bahia. A Igreja Católica não aprovava seu comportamento.

2. Quando a República foi proclamada, Antônio Conselheiro posicionou-se contra a separação entre Estado e Igreja, e desaprovou a criação do casamento civil. Por isso, passou a defender a volta da Monarquia. O arraial de Canudos foi, então, considerado uma ameaça à República e um reduto de desordeiros. O governo baiano enviou três expedições entre 1896 e 1897 para acabar com o arraial. Todas foram derrotadas. A primeira tinha 104 homens; a segunda, 550, e a terceira, 1.300. Foi aí que o governo federal entrou em ação. Mandou 5 mil soldados de 17 estados brasileiros e artilharia pesada para o local. Conselheiro morreu em 22 de setembro por razões jamais reveladas. Alguns historiadores dizem que ele teve uma crise de disenteria muito forte. Outros asseguram que sua morte foi causada por complicações decorrentes de um ferimento. O Exército liquidou Canudos no dia 5 de outubro. Em um ano, calcula-se que a Guerra dos Canudos contabilizou 15 mil mortos.

3. Para acabar com Canudos, o governo usou até um canhão Withworth, de 32 milímetros. Era uma geringonça de 1,7 tonelada, que precisava de 40 bois para ser puxado. Os sertanejos apelidaram o canhão de Matadeira.

4. No dia 6 de outubro, os soldados descobriram o local em que Antônio Conselheiro havia sido enterrado. Tiraram o corpo da cova, fizeram algumas fotos e cortaram sua cabeça. Ela foi levada até Salvador para ser estudada. O crânio ficou guardado na Faculdade de Medicina da Bahia até 1905, quando um incêndio destruiu tudo.

5. O jornalista e engenheiro Euclides da Cunha cobriu a Guerra de Canudos como correspondente do jornal "O Estado de S. Paulo". Ele anunciou a guerra como um massacre. As reportagens deram origem ao seu livro mais famoso, "Os sertões", publicado em 1902.

Livro infanto-juvenil conta como foi a Proclamação da República

6. O local em que Canudos se instalou foi alagado pelo Açude de Cocorobó em 1969. A atual cidade de Canudos fica a 10 quilômetros de distância da original.

7. O nome do arraial de Canudos surgiu do hábito dos habitantes de fumar cachimbo. Esse cachimbo era feito a partir de uma planta muito comum na região, chamada Canudo.

8. A primeira favela do Brasil teve origem na Guerra dos Canudos. Ela foi construída no Morro da Providência, no Rio de Janeiro, por soldados que haviam lutado contra o grupo de Antonio Conselheiro. O governo havia prometido casas aos soldados vitoriosos, mas, como a promessa demorou a ser cumprida, eles improvisaram suas moradias ao longo do morro. Como lembrava o Morro da Favela, na região de Canudos, o local ganhou esse apelido. Sobre a promessa do governo? Nunca foi cumprida.

9. O livro "Os Sertões", de Euclides da Cunha, sobre o massacre da Guerra de Canudos, inspirou Mario Vargas Llosa a escrever o romance "A Guerra do Fim do Mundo", de 1980.

10. O exército federal registrou ter contado 5.200 casebres no arraial devastado de Canudos.