10 curiosidades sobre o muro de Berlim

1. O muro que dividia a capital alemã em dois blocos foi construído em apenas uma noite, no dia 13 de agosto de 1961. Sua função era impedir a circulação de pessoas e mercadorias entre o lado capitalista e o lado socialista da cidade, que era controlado pela ex-União Soviética.

2. Ele tinha 155 quilômetros de extensão, dos quais 43 ficavam na área metropolitana. Na cidade, interrompia oito linhas de trens, quatro de metrô e 193 ruas e avenidas. Uma cerca elétrica cobria 127 quilômetros do muro.

3. No total, 14 mil soldados guardavam a entrada e saída. Eles eram equipados com sinalizadores, rádios, veículos de patrulha Trabant 601 Kubel e fuzis MPiKM. Alguns ficavam em cima das 302 torres de observação. Fora os cães de guarda.

4. Antes de a barreira ser erguida, entre mil e quatro mil pessoas buscavam refúgio na parte capitalista da cidade por dia.

5. Inúmeros alemães do lado oriental tentaram passar para a Alemanha Ocidental ao longo dos 28 anos, 2 meses e 27 dias em que a barreira esteve de pé. Um dos casos mais famosos foi a fuga de 28 pessoas por um túnel de 80 centímetros de altura, 70 centímetros de largura e 30 metros de comprimento. O caso virou enredo do filme Túnel 28 (1962).

Livro refaz os caminhos da Segunda Guerra Mundial

6. Muitos morreram arriscando cruzar a barreira. A primeira vítima foi Günther Liftin, morto a tiros por guardas no dia 24 de agosto de 1961. Segundo registros, Winfried Freudenberg encerrou o ciclo de vítimas. O balão a gás de fabricação caseira com o qual ele tentou fazer a travessia caiu em 8 de março de 1989.

7. Calcula-se que, por outro lado, tenha havido 5.075 fugas bem-sucedidas enquanto o muro existiu. Tentando escapar, 3.221 pessoas foram presas e 190 foram mortas.

8. A barreira de pedra foi destruída no dia 9 de novembro de 1989. Ela começou a ser derrubada às 21 horas.

9. Apenas 1,3 quilômetro do muro ainda está de pé. O trecho foi transformado em um museu. Duas torres de vigia também foram preservadas.

10. Uma pesquisa feita pelo Instituto Forsa revelou que um em cada cinco alemães gostaria que o muro fosse reconstruído.