10 curiosidades sobre o candomblé

1. Os adeptos do candomblé acreditam que cada pessoa possui seu orixá e com ele se identificam. Os deuses possuem as mesmas paixões e comportamentos bons e maus dos seres humanos. Seus seguidores fazem oferendas de comidas ou sacrificam animais em honra dos orixás para receber sua proteção e orientação na vida terrena.

2. Para descobrir o orixá, o pai-de-santo usa o ifá (jogo de búzios, com conchas usadas como oráculo). Na África, existem mais de 200 orixás, mas no Brasil eles foram reduzidos a 16, dos quais 12 são os mais cultuados.

3. O abiã é o iniciante, uma espécie de noviço. Participa de rituais até se tornar um iaô, filho-de-santo. Depois de pelo menos 7 anos, chega ao posto de ebômi. Ao atingir esse posto, pode ser indicado a algum dos cargos do terreiro: iabassê (mãe das comidas); agibonã (responsável pela iniciação dos iaôs); ialaxê (responsável pelas oferendas e objetos de culto aos orixás); baba-quererê (pai ou mãe-pequena); babalorixá (pai-de-santo e mãe-de-santo); equedes (mulheres responsáveis pelos orixás incorporados e que os ajudam em suas danças rituais); iamorô (responsáveis pelas cerimônias de Exu); ogãs (ajudantes que não recebem o santo).

4. A macumba é uma derivação do candomblé. Tem elementos de religiões africanas, de religiões indígenas e do cristianismo. É temida porque a magia negra está presente em seus despachos.

5. Maria Escolástica da Conceição Nazaré, filha de Oxum, foi a mais famosa de todas as mães-de-santo brasileiras. Deve parte de sua fama à música Oração de Mãe Menininha, de Dorival Caymmi, freqüentador de seu terreiro, em Salvador. O terreiro sagrado do Gantois nasceu de uma dissidência do Candomblé do Engenho Velho.

6. O terreiro mais antigo do Brasil é o Casa Branca, em Salvador, fundado em 1830.

7. Entre as religiões brasileiras de origem africana, o candomblé é a mais pura. Foi trazido pelos escravos negros. Para os colonizadores portugueses, porém, as danças e os rituais eram feitiçaria e deveriam ser proibidos. A solução encontrada era rezar para um santo e acender a vela para os orixás. Por isso, o candomblé possui alguns traços do catolicismo.

8. Até a década de 1930, o candomblé era perseguido pela polícia e existia na clandestinidade. Em 1930, Mãe Aninha, uma das mais conhecidas mães-de-santo de Salvador, agendou uma audiência com o presidente. Getúlio Vargas a recebeu no Palácio do Catete (RJ). Aninha pediu que a polícia os deixasse em paz e foi atendida. Quando Mãe Aninha morreu, em 1938, seu enterro foi acompanhado por 5 mil pessoas.

9. Para fugir da perseguição da polícia, os praticantes do candomblé associavam um orixá a um santo católico. Iemanjá, por exemplo, correspondia a Nossa Senhora da Conceição ou a Nossa Senhora do Rosário. Ogum era São Jorge e Xangô, São Jerônimo.

10. O culto do candomblé nas Américas não se resume ao Brasil. Estende-se ao Uruguai, Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá e México. Também é possível encontrar terreiros em países europeus.