10 curiosidades sobre o Carnaval em Salvador

1. Todos os anos, a prefeitura de Salvador espera um público de cerca de 2 milhões de foliões para o feriado do Carnaval.

2. Há 227 "entidades" (afoxés, blocos, trios elétricos, orquestras, grupos de percussão) cadastradas.

3. A folia é distribuída em 3 circuitos principais: Osmar (Campo Grande - Avenida), Dodô (Barra - Ondina) e Batatinha (Centro Histórico).

4. Fundado em 1963, o bloco "Coruja" é um dos mais antigos da Bahia. Apesar de até 1996 não ter sido permitida a participação de mulheres, desde 2002 ele é comandado por Ivete Sangalo.

5. "Ilê Ayê", atuante desde 1974, foi o primeiro bloco afro de Salvador. Sua equipe desenvolve projetos sociais e culturais durante o ano inteiro.

6. São 25 quilômetros de ruas e praças bloqueadas para os festejos. Um dia antes do início oficial da folia, o Rei Momo recebe as chaves da cidade e desfila em carro aberto ao lado de suas rainhas e princesas. No centro histórico, no Terreiro de Jesus e na Praça da Sé, a festa é afro. Olodum, Ilê Ayê e Filhos de Gandhy são alguns dos blocos que reúnem seus foliões em local e reduto próprios. Na quarta-feira de cinzas, todos se encontram na praça Castro Alves.

7. No século XIX, quando ainda não existia a música carnavalesca, o Carnaval baiano era embalado por trechinhos de óperas.

8. O Olodum foi o primeiro bloco afro a desfilar num trio elétrico. Moradores do centro histórico de Salvador criaram o bloco em 1979. O Olodum ganhou fama internacional em 1990, quando o cantor norte-americano Paul Simon foi ao Pelourinho gravar a canção "The Obvius Child", do CD "The Rhythm of The Saints".

9. Antonio Luís de Souza, conhecido como Neguinho do Samba, foi o fundador do Olodum. Depois de algumas divergências com a cúpula do bloco, ele saiu e fundou a Didá, um bloco só para mulheres. O belo sobrado do Pelourinho onde funciona a Didá foi doado pelo músico americano Paul Simon.

10. O famoso grupo musical Ara Ketu nasceu como bloco carnavalesco, em 1981, em Periperi, subúrbio de Salvador. Assim como os grandes blocos (Olodum, Filhos de Gandhi e Ilê Ayê), ele surgiu sob a inspiração do candomblé. Em iorubá, Ara Ketu significa "povo de Ketu". Foi Ketu, localizada na Nigéria, a nação que mandou para a Bahia o maior número de escravos.