Tenho uma verdadeira paixão por mascotes de eventos esportivos. Sempre que viajo para cobrir uma dessas competições, trago a pelúcia da mascote na mala. No ano passado, fiz aqui no Blog do Curioso um post com algumas mascotes de campeonatos menos conhecidos. O tempo passou e mais criaturas passaram a fazer parte desse zoológico de símbolos das competições. Confira os mais novos e os não tão conhecidos:
Para os Jogos Panamericanos de Guadalajara, no México, que começam em outubro deste ano, foram escolhidas três mascotes. Gavo representa a agave, planta bem comum na América Central.

Huichi, um cervo, é homenagem ao povo indígena Huichól, também chamado de Wixáritari. Os huichóis vivem na região de Jalisco, estado em que fica Guadalajara, e cultuam o fogo, os cervos e outros elementos da natureza.

Já Leo, o Leão, é referência ao brasão de armas da cidade de Guadalajara, que tem dois leões.

As mascotes escolhidas para as Olimpíadas de Inverno de Sochi-2014, na Rússia, são um urso polar, uma lebre e um leopardo. A própria população escolheu as mascotes votando em um programa de televisão chamado Talismanya Sochi 2014. Dimitry Chernyshenko, presidente do comitê organizador, disse que é a primeira vez que mascotes são eleitas democraticamente na história das Olimpíadas.
A lebre estuda na Faculdade da Floresta, ajuda a mãe no restaurante e ainda compete em eventos esportivos. Também gosta de cantar e dançar.

O leopardo vive nos galhos mais altos de uma grande árvore no maior pico do Cáucaso e já salvou habitantes das vilas próximas de avalanches. Seu esporte preferido é o snowboarding.

O urso vive no Círculo Ártico e tudo em sua casa é feito de gelo: cama, computador, aparelhos de academia e até o chuveiro! Ele aprendeu a esquiar e a jogar curling e patinação de velocidade com exploradores da região. Andaram dizendo também que esse ursinho é parente de Misha, a mascote dos Jogos Olímpicos de 1980, em Moscou.

As mascotes das Paraolimpíadas de Inverno em Sochi são Luchik e Snezhinka, “Raio de Luz” e “Floco de Neve”. Os dois vêm das estrelas e precisam aprender a conviver com as diferenças em relação aos terráqueos.

Estas mascotes tinham concorrentes meio estranhos… Venceram um Papai Noel, um Sol de cabelos presos e um personagem que é a cara do passarinho do jogo Angry Birds (mera coincidência?).

No ano que vem, teremos as Olimpíadas de Londres-2012. A mascote é Wenlock, que se originou de uma das duas últimsa gotas de aço usadas para construir os estádios do evento. O nome vem de Much Wenlock, cidade visitada por Pierre de Coubertin quando ele quis restaurar os Jogos.

Muito parecido com Wenlock, a mascote paraolímpica Mandeville foi batizada em homenagem à cidade de Stoke Mandeville, onde foi fundado o Movimento Paraolímpico. Tanto Wenlock como Mandeville têm luzes de táxi na testa e seus grandes olhos são câmeras – no estilo Big Brother.

Um novo integrante pouco conhecido nessa galeria é o elefantinho Stumpy, mascote oficial da Copa do Mundo de Críquete. A Copa está acontecendo em Bangladesh, Sri Lanka e Índia. Stumpy tem 10 anos de idade (em tempo humano) e acha que críquete é o melhor esporte que existe.

Para o Campeonato Mundial de Esqui Nórdico, em Oslo, na Noruega, qual seria a solução mais óbvia para se homenagear o frio? Está quente, está quente… Sim: o ilustrador Trond Vestengen criou dois bonecos de neve.