“Um homem gordo é uma piada, mas uma mulher gorda são duas: uma sobre ela mesma, e outra sobre seu marido.” Parece uma frase de mau gosto de algum meme do whatsapp, mas é o trecho de um livro clássico sobre dietas, publicado em 1926 pelo médico inglês Cecil Webb-Johnson. Ela é uma das citações de abertura de  Calories and Corsets: A History of Dieting Over 2000 Years (“Calorias e Espartilhos: Uma História das Dietas em 2000 Anos”, em tradução livre), da inglesa Louise Foxcroft, que recupera as origens da nossa relação com a alimentação.

A inglesa Louise Foxcroft: livro traz julgamento que a gordura provocava

O pensamento de que um indivíduo deve trabalhar para alcançar uma forma específica nasceu na Grécia Antiga, onde foi inventada a palavra díaita. Na época, ela designava um regime que compreendia alimentação (que deveria ser bem espaçada, moderada, baseada em legumes e proteínas, e sem temperos muito fortes), exercício rigoroso, muito trabalho e longas noites de sono. Eles também recomendavam coisas bem menos prudentes, como induzir o vômito para “limpar o corpo”.

Assim como muito do conhecimento produzido por aquela sociedade, o conceito de “corpo ideal” era extremamente masculino: a beleza estava em características como a definição muscular, bem mais difícil de alcançar para mulheres devido à estrutura corporal feminina, feita para acumular maiores quantidades de gordura e água. Além disso, Foxcroft explica que a relação de um indivíduo com seu corpo não era visto como algo pessoal, mas uma responsabilidade social.

A famosa estátua grega “Discobolos” é um de muitos exemplos do corpo ideal na arte

Tais ideias geraram séculos de tentativas mirabolantes de regrar a alimentação e garantir que a gordura fosse inaceitável. No mesmo livro, Foxcroft lista diversas frases bizarras relativas a dietas e à visão social do corpo que refletem a ansiedade e o julgamento que a gordura provocava.

1. “Se a gordura não é uma inimiga traiçoeira e rastejante, eu não sei o que é”. A frase é de William Banting, inventor da primeira dieta tal qual conhecemos hoje. Como muitos gurus de dieta que viriam depois dele, Banting tinha problemas com sobrepeso antes de vender o seu plano alimentar.

2. “É reconhecido que homens gordos são indolentes e burros”. Leonard Williams, médico dos anos 1920, escreveu um livro exclusivamente dedicado à questão da obesidade, publicado em 1926.

3. “Uma mulher nunca deve ser vista comendo ou bebendo, a não ser que esteja consumindo salada de lagosta ou champanhe, as únicas comidas verdadeiramente adequadas e femininas”. Essa declaração pertence ao célebre poeta romântico Lord Byron, tido por historiadores como a primeira “celebridade” associada a dieta. O autor teve uma relação conflituosa com comida durante toda sua vida e despertou o alarme de médicos, que temiam que seus conselhos mirabolantes — como se alimentar apenas com arroz e vinagre — fossem uma má influência para a juventude da época.

Lord Byron em pintura de Thomas Sully: arroz e vinagre

4. “Nada tem um gosto melhor do que a magreza.” Essa frase polêmica foi dita pela supermodelo Kate Moss em 2009. Quase como uma versão moderna de Byron, seu pensamento sobre a forma física repercutiu ao ponto da frase se tornar uma das mais populares entre adeptos de dietas e até mesmo daqueles afetados por distúrbios alimentares. A modelo protagonizou a estética “heroin chic” dos anos 1990, caracterizada por uma figura tão franzina que era comparada àquela de um viciado em heroína.

5. “Você percebe que ser gordo destruiu o seu apelo sexual e te fez parecer mais velho, como um bobalhão que ninguém pensaria em levar a sério em nenhum nível ou área?” O trecho é do livro Glamour, Glucose and Glands, publicado em 1956 e escrito por Frank J. Wilson.

6. “Quero morrer de bruços, deitado em vários rolos de gordura, falando poucas palavras, respirando mal e comendo o que posso.” De acordo com um poeta antigo, essa frase teria sido dita por Dionísio. O tirano grego levava uma vida privilegiada com acesso a muita comida, e ficou conhecido por ser obeso.

7. “Se o corpo me mata, eu o mato” foi o que disse Doroteu, um famoso eremita egípcio que adotava um estilo de vida de extrema privação. A frase ilustra bem o desejo de controle embutido na ideia de dietas.

8. “Não devemos render nossas mentes aos prazeres mas ao que é o fim dos prazeres. Aqui na Terra, eles são excremento e obesidade, e no além, são o fogo e os vermes”. Trecho de um dos escritos de Tomás de Aquino, também resgatado pela autora.

O filósofo alemão Friedrich Nietzsche também sentia as pressões sociais em relação ao peso

9. “Um estudioso dos nossos tempos, com um rápido consumo de energia, iria simplesmente se autodestruir na dieta de Cornaro. Acredite em mim, eu tentei.” Niilistas também têm problemas com seu peso? Aparentemente sim: a frase é de Friedrich Nietzsche.  Cornaro foi um estudioso italiano que publicou um livro de conselhos para uma vida saudável no século XVI. Ele recomendava que a alimentação fosse mínima e, segundo relatos, chegou a comer apenas uma clara de ovo por dia.

10. “Corpulência não é uma doença, mas um resultado lamentável de uma inclinação da qual devemos nos libertar. Somos os únicos culpados” era o que dizia Brillat-Savarin, francês que viveu no século XVIII e foi um dos pioneiros da dieta baixa em carboidratos. Todas as suas crenças sobre nutrição eram dramáticas ao ponto de atribuir o sucesso de um país aos hábitos alimentares de seu povo.

  • Share/Bookmark