Quem espera fazer uma refeição tranquila, conversando com os amigos, pode se irritar com um restaurante barulhento. O aplicativo iHEARu pretende evitar esse tipo de inconveniência. Seguindo a mesma lógica de outros apps, como o Waze, o iHEARu coleta informações de seus usuários para construir a sua base de dados. Funciona assim: quem baixa pode fazer resenhas dos estabelecimentos que frequenta, e o aplicativo usa o microfone do celular para medir os decibéis do ambiente e atribuir uma nota aos níveis de som registrados. A avaliação é mostrada em uma barra que vai do amarelo (menos barulhento) ao vermelho (mais barulhento). Em geral, o salão de um restaurante silencioso registra entre 50 e 60 decibéis. Os lugares com os menores registros de poluição sonora ganham o selo de “ear-friendly” (amigo do ouvido), simbolizado por um ícone de orelha.

A tecnologia utilizada para atribuir notas ao som capturado foi desenvolvida em parceria com pesquisadores do NIOSH (National Institute of Occupational Safety and Health), agência federal dos Estados Unidos dedicada à prevenção de lesões e doenças relacionadas ao trabalho.

Além da parte “empírica” da resenha, os usuários também podem fazer comentários sobre como eles percebem o som do lugar, sugerir mesas específicas para quem busca silêncio e avaliar a disposição dos funcionários a abaixar o som quando solicitados. A ideia é não apenas abarcar o maior número de locais possível como coletar informações sonoras de um mesmo estabelecimento em diferentes horários, permitindo que as pessoas escolham o momento menos barulhento para frequentá-los.

Em seu site, a empresa declara que sua grande motivação é garantir o acesso a ambientes mais saudáveis e férteis para a comunicação. O app foi desenvolvido pela organização americana Lend an Ear, cuja dona, Kelly Tremblay, é uma neurologista especializada em audição que defende os direitos dos deficientes auditivos. Ela enxerga a ferramenta como um modo de promover mudança e criar uma maior quantidade de espaços que não prejudique a audição de quem os frequenta. Avaliações sonoras de estabelecimentos públicos podem ser úteis a qualquer um que se preocupa com a própria audição ou busca um lugar mais quieto para conversar, mas são essenciais para garantir a acessibilidade de pessoas com maior sensibilidade auditiva, como aquelas no espectro autista.

Até o momento, o aplicativo está disponível apenas nas cidades de São Francisco (Estados Unidos), Paris (França), Sydney (Austrália) e Toronto (Canadá).

  • Share/Bookmark