“Os Embalos de Sábado a Noite” completa 40 anos no próximo sábado. O filme foi lançado nos Estados Unidos no dia 16 de dezembro de 1977 – só chegaria às telas brasileiras em 3 de julho do ano seguinte – e se tornou um dos clássicos mais aclamados de sua época. As músicas e as coreografias arrebataram os americanos e se espalharam pelo mundo. Foi a consagração do ator John Travolta, que já era ídolo da TV, do trio Bee Gees, responsável pela trilha sonora, e também de um dos cenários: a discoteca 2001 Odissey, onde Tony Manero, personagem de Travolta, realizou boa parte de suas apresentações.

A 2001 Odissey de fato existia. Era uma discoteca localizada no Brooklyn, em Nova York. A direção do filme, no entanto, teve que providenciar algumas mudanças. A principal delas foi o piso brilhante que se destacava nas cenas. O diretor John Badham se inspirou no piso de um clube de uma casa bastante conhecida no Alabama. A casa abriu as portas em 1948, inicialmente como um cabaré chamado Club 802. Viveu dias gloriosos e recebeu grandes artistas da época, mas aos poucos foi caindo em prestígio e enfrentou tempos difíceis.

Piso da discoteca de “Os embalos de sábado a noite” foi criado pelo diretor do filme

Foi então que em 1975 a sorte do local mudou por meio de Christine Jorgesen, herdeira do estabelecimento. Ela resolveu renovar totalmente a casa para deixá-la com uma cara “disco”, gênero que ocupava a cidade naqueles tempos. A decoração foi toda repaginada (ganhando inclusive aquela bola brilhante pendurada no teto) e o local foi rebatizado para 2001 Odissey em uma referência ao filme “2001: Uma Odisseia no Espaço”, lançado em 1968.

O filme de John Travolta foi a consagração definitiva do local. Apresentações de artistas de sucesso como Glória Gaynor ou a banda The Trammps passaram a ser comuns. O público, no entanto, passava longe de ser nobre, ao contrário do que acontecia nas casas de Manhattan, alimentadas por drogas e pela presença de grandes celebridades: “Os caras estavam quebrados, mas vinham com suas correntes de ouro”, relembrou o segurança da casa, Vito Bruno, ao site Bowery Boys. O ambiente era pautado pela aparência e pela busca pelo sexo, mas não pela notoriedade ou pelo prestígio social.

Anúncio da discoteca embarca no sucesso do filme

A queda de popularidade do gênero disco foi fatal também à 2001 Odissey, que nos anos 1980 fechou as portas para dar lugar a um clube gay chamado Spectrum. Tal clube resistiria até 1995, quando também fechou as portas. O local ficou abandonado desde então, para a decepção dos fãs do filme que viam a discoteca como um marco de sua geração. O famoso piso criado pelo diretor John Badham quase foi a leilão em 2005. O próprio Vito Bruno, no entanto, alegou que havia comprado o piso por 6 mil dólares alguns meses antes, forçando a Justiça a interromper a venda. O piso segue sob a posse de Vito. O Guggenheim Museum, em Nova York, tem uma réplica da pista da 2001 Odissey.

  • Share/Bookmark