Já contamos aqui um pouco da Rússia que existe no Brasil, mas agora, a poucos meses do início da Copa do Mundo, vamos olhar com mais atenção para a cultura e as tradições deste que é o maior país do mundo em extensão territorial. Começamos com a matrioska. São as bonecas russas ocas por dentro e que podem receber dentro de si outras bonecas de igual formato e tamanho menor. A origem das matrioskas é incerta, mas acredita-se que ela tenha sido inspirada em bonecas japonesas e provavelmente sejam fruto de uma viagem de algum russo ao Japão ou vice-versa. É importante lembrar, porém, que na Rússia do século XIX já era muito comum fazer brinquedos de madeira ou mesmo brinquedos onde uma peça era colocada sobre a outra – como os Ovos de Fabergé. O nome tem relação com Matriona, que no século XIX era um dos mais comuns para batizar as mulheres russas.

Peças são feitas artsenalmente

Existe uma outra lenda para explicar essa história: diz-se que um carpinteiro russo muito habilidoso, chamado Serguei, tinha o hábito de sair pela floresta para recolher madeira para trabalhar. Em um inverno rigoroso, porém, lhe restou apenas um tronco de madeira. Depois de pensar bastante, ele teria decidido fazer uma boneca – a Matrioska. Teria gostado tanto que optou por não vendê-la. A figura teria ganhado vida e manifestado tristeza por estar sozinha. Para demonstrar que as coisas boas exigem sacrifício, ele “machucou” sua criação lhe retirando a parte central da madeira para moldar outra boneca (a Trioska), repetindo o processo em seguida (criando a Oska). A última das bonecas teria sido Ka, que por ser homem não poderia gerar filhos. Restaria a Serguei colocar Ka dentro de Oska, que teria sido colocada dentro da Trioska, que foi para o interior de Matrioska.

Clubes brasileiros viraram matrioskas em loja de Praga

Dentro da cultura local, as matrioskas representam a fertilidade, uma vez que a possibilidade de uma sair de dentro da outra é para muitos associada ao ato de dar à luz.  As madeiras usadas precisam secar por dois anos. As técnicas variam de lugar para lugar, mas o que fez a fama das bonecas foi o fato de serem quase totalmente feitas à mão. Só que a tradição já foi mais forte.  Hoje as bonecas são produzidas em escala industrial e é cada vez menor o número de exemplares realmente artesanais. Não há uma regra para quantas bonecas cabem na matrioska, mas é difícil encontrar menos de quatro. O recorde mundial é de 51 peças e foi construída em 25 de abril de 2003 nos Estados Unidos pela russa Youlia Bereznitskaia. Algumas maiores chegam a armazenas dezenas de “filhas”. O conceito também se espalhou para outros ramos. Há duas lojas na região turística de Old Town, em Praga, capital da Chéquia, que só vendem bonecos encaixáveis. O diferencial é que eles levam imagens de jogadores de futebol, da NBA ou da NFL. Há times de futebol do mundo inteiro, incluindo o Brasil. As escalações são um tanto antigas. O jogo com cinco bonequinhos custa 26,50 euros.

O Museu da Matrioska, em Moscou, foi inaugurado em 2001

A coisa é levada tão a sério na Rússia que a capital Moscou tem um Museu da Matrioska. Inaugurado em 18 de outubro de 2001, ele exibe centenas de peças, desde as mais antigas do século XIX até as mais modernas, em duas salas. O evento de inauguração recebeu à época políticos e outras personalidades públicas. O museu chegou a fechar as portas em 2013 por um curto período. Pequeno e muito escondido, o Museu da Matrioska espera aumentar a visitação com os turistas que estarão em Moscou para a Copa do Mundo no ano que vem.

  • Share/Bookmark