A Lonely Planet, editora que virou referência em guias de viagem, tem um livro um tanto insólito em sua prateleira de publicações: “Toilets: Nature’s call has never been so beautifully answered” (“O chamado da natureza nunca foi tão lindamente atendido”, em tradução livre e sem edição no Brasil até o momento) lista cerca de 100 dos mais belos, bizarros e curiosos banheiros em todos os continentes.

Leia também: Governo japonês promove concurso para o escolher o banheiro público mais limpo do país

O livro parte da premissa de que “se pode saber muita coisa sobre um país observando os seus banheiros”, afinal eles são “uma janela para a descoberta da alma secreta de um lugar”. Se parece pretensão demais, a publicação sustenta essa teoria a partir da observação da decoração, da arquitetura e da funcionalidade do toalete de cada país. No caso dos banheiros públicos, a localização é outro ponto importante.

Livro lançado pelo Lonely Planet faz um tour pelos banheiros inusitados do mundo

“Banheiros abandonaram suas características primitivas de serem apenas uma conveniência para se tornarem obras de arte que mostram as tradições e valores das comunidades que os usam” é outro trecho que mostra que a Lonely leva bastante a sério esse tour pelos sanitários do mundo todo. Desse modo, o leitor encontrará um banheiro em forma de cabana com uma vista deslumbrante dos Alpes suíços. Ele está no Segantini Hut, última residência do artista plástico austríaco Giovanni Segantini, hoje transformada em um bar para trilheiros e alpinistas que visitam St. Moritz. O livro mostra ainda um banheiro público no formato de lagosta em Wellington, capital da Nova Zelândia, e os coloridíssimos “banheiros conforto” e “banheiros normais” de Chott El Djerid, no sul da Tunísia, onde foram gravadas as cenas da infância de Luke Skywalker no primeiro filme da saga Guerra nas Estrelas. Chott é lago de água salgada.

Leia também:  A incrível fábrica de coco, xixi e pum

  • Share/Bookmark