“Acho que foi em 2001”. Jair Hermínio da Silva não se lembra com certeza do dia em que perdeu 1 milhão de reais ao errar a pergunta final do Show do Milhão. A intuição não está de toda errada: embora o programa só tenha sido exibido em 28 de fevereiro de 2002, foi em dezembro de 2001 que ele abriu mão dos 500 mil reais que já havia conquistado para tentar ganhar 1 milhão ao responder o último questionamento.

Até então, todos os seis participantes que chegaram à última pergunta da atração (que estreou no SBT em novembro de 1999) preferiram desistir e levar metade do prêmio máximo para casa. No caso de Jair, porém, a pergunta parecia fácil demais para não arriscar: “Quantas letras contém a escrita da bandeira nacional brasileira?”. Ele não nega: tinha certeza que ganharia. “Se fosse uma pergunta difícil, eu talvez tivesse desistido. Ou talvez eu tivesse respondido e acertado”, brinca o quase-milionário, hoje com 73 anos.

Jair não acreditou que tinha errado a resposta final do Show do Milhão

Se respondesse corretamente a questão, o professor aposentado da cidade de Guaxupé (MG), à época com 57 anos, se tornaria milionário sem sequer ter se inscrito no programa. A responsável foi Maria José de Camargo, que havia sido diretora de uma escola para a qual ele trabalhou: “Ela comprou a revista do programa, mandou a carta e combinou que, se fosse chamada, eu é quem iria”, recorda. Maria José vive atualmente em Itápolis (SP), a 288 quilômetros de Guaxupé, o que não impede de os dois amigos manterem contato: “Vou visitá-la pelo menos uma vez por ano”, garante Jair.

Pouco mais de 15 anos depois de chocar o Brasil com a resposta errada, Jair da Silva garante que em nenhum momento ficou nervoso com as perguntas feitas por Silvio Santos: “Eu sabia responder todas as perguntas. Cheguei dando um show, o Silvio ficou encantado comigo”, gaba-se o são-paulino formado em Letras e Pedagogia. Quando ouviu a pergunta final, ele se sentiu a apenas 20 segundos de encher de zeros a sua conta bancária. Era esse o tempo que ele tinha para responder que o lema “Ordem e progresso” tem 15 letras. Enquanto o relógio correu, ele balançou a cabeça positivamente repetidas vezes e chegou a abrir um sorriso antes de decretar: 16. “Na hora eu me lembrei do grito da Independência de D. Pedro I: “Independência ou Morte”. Aí contei as letras de “Ordem ou Progresso”, e não “Ordem e Progresso”, explica o mineiro com tranquilidade incompatível à proporção do deslize.

Imagem de Amostra do You Tube

Apesar de garantir ter ficado absolutamente tranquilo, ele esticou os lábios e o queixo tanto quanto era possível depois de confirmar a resposta. E assim ficou enquanto a amiga Maria José, na primeira fileira da plateia, contava nos dedos as letras, talvez já antevendo o pior. Toda essa ação durou 6 segundos. Foi aí que o painel piscou a luz verde em cima de “15 letras” que Jair deveria ter respondido. Maria José se abaixou e falou “Ai! Fácil, Jair…”. “Quinze?”, perguntou ele, ainda incrédulo. “Achei que o Silvio tinha errado. Tinha tanta certeza que contei na frente dele”, diz ele. De fato, foram duas contagens seguras, firmes, precisas, intercaladas por um coro da plateia o alertando para o erro e de outras intervenções de Maria José, com o microfone aberto: “Tá errado… ele errou… É “e” e não “ou””.

Somente quando o próprio Silvio Santos contou as letras, dando ênfase ao “e”, ele se deu por convencido. “Foi ali que caiu a ficha”, confirma. Maria José soltou um compreensível desabafo: “Eu te mato, não podia errar essa”. Sobretudo porque, na verdade, não foi Jair quem perdeu 1 milhão. Ele, Maria José e Didi, uma amiga de ambos, perderam 333 mil reais cada, uma vez que o professor havia prometido dividir o que ganhasse em partes iguais. Sobraram apenas 100 reais para cada um, resultado da divisão dos 300 que o programa oferecia a todos os participantes.

Jair ainda precisou voltar para Guaxupé e disfarçar: “Ninguém lá sabia que eu tinha ido ao programa”.  Quando o SBT exibiu o programa, Jair se tornou o mais famoso dos 47.036 habitantes que o município mineiro registrou no censo realizado dois anos antes. “De lá pra cá, não tem um dia que eu passe sem que alguém me lembre daquilo”. Ele garante que não se incomoda e que até se diverte com algumas reações: “Tem gente que me pergunta quanto eu ganhei do Sílvio para errar. Juram que tinha alguma armação ali”.

Jair em sua viagem ao Marrocos: “Vivo bem com meu salário de professor aposentado”

Com motivos de sobra para rir da confusão que lhe custou 1 milhão, ele continuou assistindo à atração que o tornou famoso (inclusive a edição da qual foi protagonista). Viu, inclusive, Sidiney de Moraes se tornar o único vencedor do programa em outubro de 2003 – embora Jair garanta que ele na verdade errou a resposta final.  Passados 15 anos, Jair Hermínio da Silva não nega as lamentações pela oportunidade perdida, afinal, nas palavras dele, “dinheiro é sempre bom”. Mas faz questão de dizer: “Vivo bem com meu salário de professor aposentado e viajo para o exterior pelo menos uma vez por ano”, orgulha-se. Entre os destinos preferidos estão a Grécia, a Turquia (que já visitou três vezes) e o Marrocos, o escolhido da última viagem.

  • Share/Bookmark