O Santuário dos Elefantes surgiu em 2010, numa viagem que a fotógrafa e publicitária Junia Machado fez ao Quênia para produzir um ensaio fotográfico com elefantes. “Foi lá que eu soube da crueldade que esses animais sofrem”, recorda. “Decidi que alguém precisava fazer alguma coisa”. Daí em diante foram cinco anos recrutando parceiros para tirar o projeto do papel. O mais difícil foi encontrar um local grande o bastante para servir de refúgio aos paquidermes. Junia começou procurando pelo interior de São Paulo e foi rodando Brasil adentro. Foram 130 visitas frustradas até encontrar uma fazenda de 1.100 hectares localizada a 50 quilômetros do centro da Chapada dos Guimarães (MT): “Escolhemos aqui porque o local é grande, tem tudo o que nós precisamos e o dono aceitou parcelar em quatro anos e meio. Além disso, estamos a apenas três horas de carro de Cuiabá”, pontua ela. A compra foi oficializada em junho de 2015 e pouco mais de um ano depois, em outubro de 2016, o Santuário foi inaugurado.

Maya e Guida foram as primeiras elefantas abrigadas pelo Santuário do Mato Grosso

Por enquanto, apenas duas elefantas estão no local: Maya e Guida, trazidas de circos na Ásia. Lá, elas contam com uma médica veterinária e dividem espaço com animais silvestres que também são abrigados em total segurança. A ONG conta com dois diretores que moram na fazenda e está realizando obras para reforçar a proteção da área do Santuário. Como essas obras ainda não foram concluídas, vários outros elefantes  aguardam para se instalarem por lá – a expectativa é que muitos cheguem ainda esse ano. A primeira da fila é uma elefanta resgatada de um circo no Chile. Ela está sendo provisoriamente cuidada por um zoológico nos Estados Unidos enquanto aguarda o momento de mudar definitivamente de lar.

Desenhos do tatuador Phelipe Veiga ajudarão Santuário que protege elefantes

O foco da ONG é resgatar elefantes mal tratados em circos e zoológicos de toda a América do Sul, além de auxiliar projetos para resgatar as espécies africanas que são caçadas em quantidade industrial para sustentar a indústria do marfim. É uma via de mão dupla: zoológicos e entidades assistenciais do mundo todo também colaboram para manter o Santuário brasileiro de pé. “São 50 mil mortos todos os anos na África e muitos outros capturados para serem levados a zoológicos”, alerta ela, que acumula ainda o cargo de presidente da ONG.

Cada elefante abrigado pelo Santuário exige um gasto mensal de 20 mil reais – mas esse valor “por cabeça” deve cair um pouco quando a manada aumentar e os gastos com funcionários e estrutura forem diluídos entre um número maior de elefantes. Por isso, toda ajuda é bem vinda: os interessados em doar podem acessar uma seção criada especialmente para isso no site oficial do projeto. Quem quiser ajudar de outra forma, com denúncias ou colocando a mão na massa efetivamente, pode se comunicar com o Santuário pelo site ou pelo Facebook.

 

Feliphe Veiga será o responsável pelos desenhos da Manada do Bem

Para arrecadar fundos, neste final de semana o estúdio True Rise Tattoo, na Vila Prudente (zona leste de São Paulo), recebe um evento especial para ajudar a ONG Santuário dos Elefantes. Ao longo dos dois dias, das 11h às 19h, o local está de portas abertas para um flash day temático, batizado de “Manada do Bem”. Os flash days são eventos de tatuagens com desenhos autorais e de execução mais simples. Cada um dos clientes pagará de 250 a 500 reais para estampar em seu corpo um elefante dentre os vários criados pelo tatuador Feliphe Veiga. Metade do  valor será destinado para a ONG. Por se tratar de um Flash Day, não serão feitas tatuagens nas costelas, nos cotovelos ou no pescoço, locais onde o trabalho costuma demandar um tempo maior. “No mundo todo as pessoas fazem muitas tatuagens de animais e também de elefantes. “A ideia é que as pessoas usem esse evento para saber qual é a realidade dos elefantes no mundo todo”, diz Junia. “Vamos receber poucas pessoas nesse primeiro evento porque tudo será feito em um estúdio só, mas a ideia é que as pessoas espalhem o projeto e a gente possa repeti-lo em outras cidades”.

Flash Day “Manada do Bem”
True Rise Tattoo: Rua Cavour, 271, sala 3, Vila Prudente (São Paulo)
Data: dias 29 e 30 de abril, das 11h às 19h
Preço: de R$ 250 a R$ 500 (parcelamento a partir de R$ 400)
Fotos: Divulgação

  • Share/Bookmark